LIVRO DE FOTOGRAFIAS DE RONNIE JAMES DIO SERÁ LANÇADO ESTE ANO

16 08 2010

Por: Raquel Hortmann
Fonte: Brave Words & Bloody Knuckles

De acordo com o “Deep Purple Appreciation Society”, existe um livro de fotos autorizadas de Ronnie James Dio previsto para sair no outono (do hemisfério norte). Aprovado por Wendy Dio, uma parcela de cada edição vendida será doada para a fundação “Ronnie James Dio Stand Up And Shout Cancer Fund”. Haverá duas edições – mais detalhes serão revelados em breve.

Você também poderá fazer doações para a “Ronnie James Dio Stand Up And Shout Cancer Fund” através do site “ronniejamesdio.com”. As doações são destinadas à pesquisa de câncer, diagnóstico e vários programas relacionados ao câncer, a fim de ajudar as famílias que tem entes queridos sofrendo com a doença.





GLENN HUGHES FALA SOBRE SUA APRESENTAÇÃO COMO VOCALISTA DO HEAVEN AND HELL

6 07 2010

Fonte: Classic Rock Magazine

Em entrevista exclusiva ao site “Classic Rock”, Glenn Hughes falou sobre sua apresentação no “High Voltage Festival” – que será realizada no dia 24 de julho – como vocalista do Heaven and Hell.

“Eu tinha um ótimo relacionamento com Ronnie – eu fui o cara que lhe mostrou o curry; e ele se tornou o rei do curry. Sempre que estávamos juntos, discutíamos sobre quem era o melhor cantor. Eu dizia ‘você é o melhor’, e ele replicava ‘não, você que é’”.

“Quando ele morreu, nós perdemos o maior cantor do metal. Mas ele era muito mais que isto. Ele poderia caminhar por uma sala com 30 pessoas que ele não conhecia, e fazer todas elas se sentirem confortáveis. Ele também se lembraria seus nomes na próxima vez que os encontrasse. E ele fez tanta caridade. Sua fundação, “Children of The Night” ajudou as crianças nas ruas, ele angariou US$ 4,5 milhões através do “Hear n’ Aid”. Ele era um santo”

“Então quando Wendy Dio, Tony Iommi and Geezer Butler me perguntaram se eu faria esse set especial em sua memória, no High Voltage, foi uma grande honra”.

Por enquanto Hughes não tem certeza do que irá cantar e o que será feito por Jorn Lande (Masterplan), o outro cantor que estará no palco com o Heaven and Hell.

“Foram me dadas 13 canções para eu aprender, que incluem os álbuns de Ronnie no Black Sabbath e também o do Heaven and Hell, “The Devil You Know”. Iremos ao estúdio Monnow Valley, no País de Gales, onde haverão ensaios e decidiremos tudo isto. Não há competição aqui. Isto tudo é sobre pagar o respeito apropriado à Ronnie. Estou certo de que será um momento muito emocional para todos nós, e ele estará olhando para Jorn e para mim, aqui embaixo, dizendo ‘vão lá, vocês conseguem’”.





HEAVEN AND HELL ANUNCIA SHOW EM TRIBUTO A DIO

15 06 2010

Fonte: Blabbermouth

Os membros remanescentes do Heaven and Hell, Tony Iommi, Geezer Butler e Vinny Appice, anunciaram que irão fazer um último show para celebrar a vida e obra do velho Dio, no dia 24 de julho, no “High Voltage Festival”, que será realizado em Londres. Os vocais ficarão a cargo de Glen Hughes (Black Sabbath/Deep Purple/Trapeze) e Jorn Lande (Masterplan).
 
O Heaven and Hell estava agendado para fazer uma tour pela Europa durante o verão (europeu), contudo a doença, e posterior morte do mestre Ronnie James Dio, impediu que os planos se concretizassem.

“Será uma ocasião muito emocional”, declarou Butler. “Ronnie amou seus fãs como mais ninguém que eu conheça – e eles o amaram. Será um privilégio fazer um show em tributo à sua memória. Acima de tudo, eu espero que isto encoraje as pessoas a fazerem check ups regulares para esta doença, pois o diagnóstico prematuro é vital e aumenta muito as chances de cura”, concluiu.

Tony Iommi acrescentou que “a morte de Ronnie deixou um grande vazio. Não estávamos nem perto de chegar onde queríamos como banda. Ele estava bem ansioso pela turnê européia, e espero que esta apresentação, de alguma forma, preencha esta lacuna”.

De acordo com os organizadores do festival, uma doação em nome do “High Voltage Festival” será feita ao “Ronnie James Dio “Stand Up And Shout” Cancer Fund”.





ESPECIAL: SEMANA RONNIE JAMES DIO – PARTE VII

23 05 2010

Leia a parte I do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/17/especial-semana-ronnie-james-dio/

Leia a parte II do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/18/especial-semana-ronnie-james-dio-parte-ii/

Leia parte III do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/19/especial-semana-ronnie-james-dio-parte-iii/

Leia parte IV do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/20/especial-semana-ronnie-james-dio-%e2%80%93-parte-iv/

Leia parte V do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/21/especial-semana-ronnie-james-dio-%e2%80%93-parte-v/

Leia parte VI do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/22/especial-semana-ronnie-james-dio-%e2%80%93-parte-vi/

Chegamos à última parte do especial SEMANA RONNIE JAMES DIO, que teve a finalidade de homenagear este grande artista que deixou milhões de fãs órfãos no último domingo, 16 de maio.

Neste derradeiro capítulo você confere mais uma reunião do Sabbath, sob o nome de Heaven and Hell, a morte do mestre e as reações que o fato suscitou em todo o mundo.

DA TERRA PARA A HISTÓRIA: HEAVEN AND HELL, A PARTIDA E REPERCUSSÕES

Em 2006 Dio, Iommi, Butler e Appice se reuniram num estúdio para gravarem três faixas recém compostas para a coletânea Black Sabbath: The Dio Years, que trazia uma seleção das melhores músicas desta formação, além das três faixas inéditas. Para promover o trabalho, a banda saiu em turnê sob o nome de Heaven and Hell – a mudança serviu para deixar claro que só seriam tocadas músicas dos discos gravados com Dio.

Novamente juntos.

Como registro desta tour, foi lançado o CD e DVD Live From Radio City Music Hall, que mostrou uma banda primorosa, com todos os integrantes tirando o melhor de seus insrumentos. O resultado dos shows e a constatação de que a química entre a banda permanecia intacta os impulsionou a voltarem para o estúdio, desta vez para gravarem um álbum completo de músicas inéditas.

Capa do ao vivo Live From Radio City Music Hall. 

O resultado desta empreitada é o disco The Devil You Know, lançado em 2009, sucesso entre os fãs e críticos. A bolacha é uma aula dos mestres do Heavy Metal para a nova geração de apreciadores do estilo, sendo a abertura com Atom and Evil uma excelente escolha. Se o apocalipse tiver uma trilha sonora, essa canção é uma boa pedida.

Tony Iommi destila solos belos, executados na medida certa, emanando elegância, sensibilidade e precisão; Dio mostra que uma garganta perto de completar 70 anos pode descer a porrada em muita garotada por aí. É inacreditável como a voz desse cara não havia mudado em nada desde os anos 70! Butler e Appice mantém a cozinha fervendo, com muito talento.

Capa do espetacular The Devil You Know

Mais uma vez é difícil apontar um destaque no trabalho, mas a terceira faixa, Bible Black, é uma preciosidade. Dio dá uma aula de interpretação aqui, o que pouquissimos vocalistas conseguem fazer, enquanto Iommi arremessa riffs cortantes, como sempre. The Devil You Know, sem dúvidas, ganhou importância histórica por ter sido o canto dos cisnes de Dio, e pode ser considerado um grande legado para o vocalista, sem dever nada aos seus trabalhos mais clássicos.

Para promover o disco, foi lançada a Bible Black Tour, que durou de 5 de maio a 29 de agosto de 2009, e passou pelo Brasil, onde a banda tocou em São Paulo e Rio de Janeiro.

Em novembro de 2009, Dio soltou uma nota informando que havia sido diagnosticado com cancêr no estômago, entretanto que a doença estava em seus estágios iniciais e que as chances de cura eram boas. A esposa do mestre, Wendy Dio, era quem mantinha os fãs e imprensa informados das novidades, e as notícias eram bem promissoras, ainda mais depois que o Heaven and Hell divulgou algumas datas de shows que fariam junto com o Iron Maiden em 30 de julho e 11 de agosto de 2010.

Em 4 de maio a tour foi cancelada por causa de complicações na saúde de Dio, gerando muita preocupação entre os fãs. Em 16 de maio de 2010, às 7h45 da manhã, exatamente um ano após a passagem do Heaven and Hell pelo Brasil, O Heavy Metal ficou orfão. Dio não resistiu ao cancêr e partiu da Terra para entrar para a história. A notícia de sua morte devastou o mundo do Rock n’ Roll ao redor do globo, gerando incontáveis manifestações de pesar:

Lars Ulrich, baterista do Metallica, publicou uma emocionante carta aberta sobre a importãncia de Dio em sua vida. Para ler a carta, basta clicar aqui.

Ritchie Blackmore (Deep Purple /Rainbow/Blackmore’s Night):
“Ronnie tinha uma voz única e incrível. Sentiremos muito sua falta no mundo do rock n´ roll.”

Kiss:
“Lamentamos a trágica passagem do grande Ronnie James Dio. Além de sua poderosa habilidade vocal, Ronnie era um verdadeiro cavalheiro, que sempre mostrou muito carinho e amizade para conosco e todos ao seu redor. Sentiremos sua falta”.

Veja o trecho de um show do Kiss onde Paul Stanley homenageia Dio:

Sebastian Bach (Skid Row/Solo):
“Chorando agora mesmo em memória do meu herói e amigo Ronnie James Dio. Eu fiz shows e trabalhei com ele, e o amei minha vida inteira. Muito obrigado. O mundo perdeu um dos melhores.”

Slash (Guns n ‘Roses/Velvet Revolver):
“Ronnie Morreu às 7:45 na manhã de hoje, mas sua música viverá para a eternidade.”

David Coverdale (Deep Purple/Whitesnake):
“Estou muito triste em ouvir que Ronnie se foi… Meus pensamentos, preces e condolências à sua família e amigos.”

Mike Portnoy (Dream Theater):
“Descanse em paz, Ronnie James Dio… um dos melhores de todos os tempos. Parece que Dime (Dimebag, PANTERA), Rhandy (Rhoads, OZZY OSBOURNE), Cliff (Burton, METALLICA) e Bonzo (John Bonham, LED ZEPPELIN), acabaram de achar um vocalista. Este é um dos dias mais tristes que o metal já teve.”

Judas Priest:
“Nós estamos preenchidos com uma grande tristeza com a terrível notícia sobre nosso amigo Ronnie James Dio. Nossas condolências e amor vão para Wendy e família. Ronnie foi um homem maravilhoso e sua perda é lamentável.”

Twisted Sister:
“Os membros do Twisted Sister, junto com milhões de fãs ao redor do mundo lamentamos a morte de nosso amigo Ronnie James Dio. Ronnie não era somente um gigante na cena metálica mundial, mas também uma das pessoas mais legais que você poderia conhecer. Começando em 1983 quando fizemos nossa primeira turnê juntos no Canadá, e continuando durante os últimos sete anos que tocamos em vários festivais ao redor do mundo, Ronnie era um dos mais apoiadores e graciosos membros da música. Nossos pensamentos e preces estão com Wendy (esposa) e família de Ronnie.”

Glen Hughes (Deep Purple/Black Sabbath/Trapeze/Solo):
“Hoje é um dia muito triste… Eu perdi um amigo muito querido. Ronnie era um verdadeiro líder do heavy metal… um ícone e um visionário… Nunca haverá outro como ele. Ronnie me deu sabedoria, e mostrou grande compaixão desde quando estava no ELF, todos estes anos, quando estávamos em turnê juntos no meu tempo com o Deep Purple. Ele foi um maravilhoso e gentil professor. Eu sentirei sua falta, companheiro.”

Rowan Robertson (guitarrista do Dio no disco “Lock Up the Wolves”):
“Fui um privilegiado em fazer parte da vida e da música de Ronnie James Dio. Meus sentimentos aos familiares.”

Danny Vaughn (Tyketto):
“Ainda estou balançando a cabeça de forma negativa ao pensar que Ronnie James Dio se foi. Realmente machuca pensar que ele morreu.”

Anthrax:
“Dio, Deus em italiano. Palavras não farão justiça, então nem tentaremos.”

Iron Maiden:
“É com grande tristeza que ficamos sabendo que Ronnie perdeu sua batalha contra o câncer de estômago, e as nossas sinceras condolências vão para sua esposa Wendy e sua família neste momento terrível.

Desde o começo no ELF, Black Sabbath e DIO, até seus dias mais recentes à frente do HEAVEN & HELL, Ronnie, desde sempre provou seu talento como vocalista, sempre dando tudo de si para seus fãs e sua música.
Ronnie não foi apenas um vocalista incrivelmente talentoso, mas também uma pessoa maravilhosamente afável, inteligente e generosa e essa pessoa brilhou tanto em cima quanto fora do palco, deixando uma marca positiva em todos que entraram em contato com ele. Um amigo de longa data do Maiden, que tocou vários shows juntos ao longo dos anos e vamos todos sentir muito sua falta.

O mundo perdeu um talento insubstituível e, em primeiro lugar, um dos melhores seres humanos que você poderia sempre querer conhecer.
Steve, Bruce, Adrian, Dave, Janick, Nicko e Rod”.

Brian May (Queen):
“É um choque saber que Ronnie se foi. Mesmo sabendo de sua luta contra o câncer há algum tempo, ele o combateu, e por sua personalidade incrivelmente otimista, pensei que fosse viver para sempre.

Bem, ele lutou até o fim, estava se preparando para voltar em turnê. Eu sei que isso será um golpe muito duro para o meu amigo Tony Iommi. Quando encontrei Ronnie pela última vez, em Los Angeles, ele continuava cheio de vida e positividade, como sempre o conheci, e cantou como uma tempestade à frente do HEAVEN AND HELL no Anfiteatro Universal.

Na minha opinião, Ronnie foi um dos criadores do gênero Heavy Metal. Eu não sou um especialista em sua obra – há muita gente que conhece mais do que eu – mas nossos caminhos se cruzaram várias vezes ao longo dos anos, e eu vislumbrava claramente o seu espírito original e sua personalidade.

Ele não tinha nenhum desejo pela fama. Não se portava como uma celebridade. Ele adorava o que fazia (cantar). Assim, para seus milhões de fãs, havia um sentimento inquestionável de honestidade em sua personalidade, suas canções, e suas performances. Suas letras eram bem particulares, ao melhor estilo Heavy Metal, e influenciaram muitas bandas ao longo dos anos.

Para mim, era como se sua mente operasse em camadas – na superfície, um cantor que trabalhava pesado e honestamente, com grande humildade e forte senso de humor – e, embaixo, no mundo de suas canções, seu subconsciente parecia ser preenchido por duendes de todos os tipos. Suas letras, escuras e misteriosas, sempre representaram a espada da bondade no triunfo sobre o mal.

Eu não sei se ele inventou a saudação ‘Devil-Horn’ (gesto usando os dedos indicador e mindinho), mas ele foi certamente o homem que, mais do que nunca, fez dele um símbolo universal, uma saudação mundial ao Metal. Ele era muito querido na comunidade de Rock, e fará muita falta.”

RIP Ronnie,
Bri

Lemmy (Motorhead)
“Estou realmente chocado, ainda mais que ele parecia estar se recuperando (quando o vi) no show Golden Gods de Los Angeles, California. Bon Voyage, Ronnie, descanse em paz.”

Rob Halford (Judas Priest/Fight)
“A voz de RONNIE JAMES Dio vai viver para sempre, e continuará a emocionar e inspirar os cantores de todo o mundo. Ele era um querido amigo, e assim como milhares de headbangers, vou sentir falta dele profundamente”.

Craig Goldy (Dio)
“Palavras simplesmente me faltam agora. Há um buraco na minha alma e eu não estou apto a compreender o que aconteceu. As palavras, que foram um dos muitos recursos criativos de Ronnie, parecem ter se tornado agora a minha fraqueza. Por favor, me perdoem se eu me perder no meu intuito de homenagear o mais incrível homem que já conheci. Ronnie James Dio é e foi mais do que um músico lendário, amigo e companheiro de banda, ele foi a minha família. Ele é a razão de alguém eventualmente saber quem eu sou e por que eu existo. Ele me resgatou de dormir em um carro nas estradas de San Diego e Los Angeles e me trouxe para dentro desse mundo onde sonhos se tornam realidade, onde a gentileza com fãs e estranhos, o carinho, a humildade e a integridade são fundamentais e onde a criatividade poderia ser algo sem limites e mudar as vidas das pessoas para sempre. Eu sei que ele mudou minha vida, não apenas por meio de sua música e pela voz, a habilidade ímpar que o tornou uma lenda, mas sobretudo por ser quem ele era como pessoa e pela forma como tratou a mim e a todos com quem teve contato, direta ou indiretamente. Ele foi tão bom para mim. Eu tenho inúmeras memórias de sua gentileza e bondade, não apenas comigo ou com os fãs, mas inclusive com estranhos também. Fui apresentado a seu talento antes de eu conhecer o homem. Por causa de seu incomparável talento para as letras, eu o conheci antes mesmo de conhecê-lo de fato. Ele adorava ler para mim as suas letras antes de gravar as músicas às quais elas pertenceriam, pois ele sabia que eu decifraria o código e entenderia o que ele queria dizer, antes mesmo que ele tivesse que traduzi-las para mim. Ele adorava ser compreendido e eu o compreendia, e foi aí que a nossa ligação especial começou muitos anos atrás. Todos nós sofreremos pela música que ainda poderia e deveria ser feita. Contudo, seremos eternamente gratos pela música, pelo homem e pela lenda que nos foi dada por um período de tempo tão curto. Descanse em paz, querido amigo. Eu sentirei muito a sua falta, sempre e para sempre”.

Discografia do Heaven and Hell:

Live from Radio City Music Hall – 2007
The Devil You Know – 2009

Confira o videoclip da canção Bible Black.

Esta foi a vida e obra do eterno Ronnie James Dio. Como todos têm dito: “O homem se foi, mas sua lenda será lembrada eternamente”.





ESPECIAL: SEMANA RONNIE JAMES DIO – PARTE VI

22 05 2010

Leia a parte I do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/17/especial-semana-ronnie-james-dio/

Leia a parte II do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/18/especial-semana-ronnie-james-dio-parte-ii/

Leia parte III do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/19/especial-semana-ronnie-james-dio-parte-iii/

Leia parte IV do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/20/especial-semana-ronnie-james-dio-%e2%80%93-parte-iv/

Leia parte V do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/21/especial-semana-ronnie-james-dio-%e2%80%93-parte-v/

Chegamos a penúltima parte do especial SEMANA RONNIE JAMES DIO, e neste capítulo o baixinho retoma sua carreira solo, após a produção do Hear n’ Aid. Mais discos fenomenais são lançados e Dio atinge o status de lenda do Heavy Metal.

Seja bem vindo de volta ao mundo de Ronnie James Dio!

FRIENDS WILL BE FRIENDS: CARREIRA SOLO E A VOLTA PARA O SABBATH

Em 1986, após o Hear n’ Aid, Vivian Campbell decide deixar a banda para fazer parte do novo line up do Whitesnake, que David Coverdale montava. Para seu lugar, Dio recrutou Craig Goldy, guitarrista do Giuffria, com quem havia trabalhado há pouco tempo no Hear n’ Aid.

Em julho de 1987 foi lançado o quarto disco de estúdio do Dio, intitulado Dream Evil. O álbum foi muito bem sucedido e chegou na 43ª posição no Top 200 da Bilboard e alcançou um fantástico terceiro lugar nas paradas da Inglaterra. O singles, tirados deste que foi o último álbum de Dio nos anos 80, foram All The Fools Sailed Away, Overlove e I Could Have Been a Dreamer.

No ano seguinte, Craig Goldy deixa a banda e Dio promove um concurso para escolher o novo guitarrista de sua banda, ficando a vaga com Rowan Robertson, um prodígio da guitarra que tinha apenas 16 anos de idade. Em 1990 a nova formação, que também contava com o ex-baterista do AC/DC, Simon Wright, lança o álbum Lock Up The Wolves.

Talvez o trabalho mais subestimado da discografia de Dio, Lock Up The Wolves entrega uma grande performance de uma grande banda. Aqui Dio expande ainda mais seus horizontes musicais, combinando a velocidade de músicas como Wild One com pitadas de Doom, e até Blues. Além do grande trabalho musical, as letras desta bolacha são as mais interessantes desde Holy Diver.

Em 1992 o mundo é surpreendido com a notícia de que Dio estava de volta ao Sabbath, com o mesmo line up da época do Heaven and Hell e Mob Rules. O resultado desta reunião foi o álbum Dehumanizer, mostrando que Dio, Iommi, Butler e Appice não estavam para brincadeira. Com um som pesado e áspero, o velho Sabbath mostrou às novas bandas da época como é que os grandes fazem.

Dehumanizer: mais uma vez Dio mostrou que não estava para brincadeira.

O álbum, que recebeu disco de platina na Inglaterra, tem vários destaques, contudo pode-se dizer que Computer God, After All (the Dead), Master of Insanity, I, Tv Crimes e Time Machine são as pérolas do trabalho. Time Machine ainda fez parte da trilha sonora do filme Wayne’s World (no Brasil saiu como Quanto Mias Idiota Melhor).

Após uma extensa tour de promoção do álbum, que passou inclusive pelo Brasil, Dio saiu novamente do Sabbath. Apesar do motivo alegado ter sido novas divergências com Tony Iommi, especula-se que Ozzy Osbourne pode ter dado uma ajudinha para a saída do baixinho. Na época o Madman estava fazendo sua turnê de despedida (que hoje, felizmente, sabemos não ter sido um despedida de verdade) e pediu que em seus dois últimos shows o Sabbath se reunisse com ele, o que, imagina-se, pode ter ajudado a acelerar a  decisão de Dio sair da banda.

Em 1994 sai o sexto disco de Dio, intitulado Strange Highways, que decepcionou os fãs um pouco. O Strange Highways, o Angry Machines, de 1996, junto com o ao vivo Inferno: Last in Live, de 1998, formam a trilogia da discórdia na discografia de Dio, seguindo um caminho mais modernoso graças a guitarra de Traci Guns. Os discos não são ruins, mas não tem condições de competir com os trabalhos anteriores. A paciência dos fãs com o guitarrista se esgotou no Inferno: Last in Live, onde ele não tocava as música antigas de modo fiel e, apesar da empatia de Dio para com ele, não houve jeito a não ser demití-lo.

Em 2000, com Craig Goldy de volta às guitarras, Dio lança o Magica, que colocou o fim na sequencia de discos medianos. Magica foi um discaço, lavando a alma dos fãs e calando os críticos. Dio mais uma vez mostrou que com ele não se brinca. Em 2002, com Doug Aldrich no lugar de Craig Goldy, Dio lança mais um álbum, que se chamou Killing The Dragon. Mais um excelente trabalho, que tinha um clima dos primeiros discos da carreira solo de Dio.

O disco foi a redenção de Dio perante os fãs.

Em 2004 mais uma vez Craig Goldy retorna à banda, que lança o álbum Master of The Moon, o décimo da discografia do Dio. Este trabalho novamente resgata toda a magia e talento dos primeiros discos, lançados 20 anos antes. Em 2005 sai a bolacha ao vivo Evil or Divine: Live in New York City, que já estava no mercado desde 2003 em formato dvd.

Ainda em 2005 Dio caiu na estrada e teve a idéia de remontar o set do Holy Diver, idéia que se mostrou tão bem sucedida que o cantor resolveu lançar o álbum duplo Holy Diver Live, trazendo no disco 1 o Holy Diver na íntegra e no disco 2 vários sucessos de sua carreira.

Homenagem mais que merecida para este clássico do Metal.

Na derradeira parte do especial SEMANA RONNIE JAMES DIO, que será publicada amanhã, você confere a nova reunião do Sabbath, sob o nome de Heaven and Hell, a morte do mestre suas repercussões na cena do Rock n‘ Roll Mundial.

Não perca!

Discografia da carreira solo do Dio (2ª Parte):

Dream Evil (1987)
Lock Up the Wolves (1990)
Strange Highways (1994)
Angry Machines (1996)
Inferno: Last in Live (1998)
Magica (2000)
Killing the Dragon (2002)
Master of the Moon (2004)
Evil or Divine – Live in New York City (2005)
Holy Diver Live (2006)

Confira o videoclip de Tv Crimes, um dos vídeos mais legais do Sabbath.





ESPECIAL: SEMANA RONNIE JAMES DIO – PARTE V

21 05 2010

Leia a parte I do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/17/especial-semana-ronnie-james-dio/

Leia a parte II do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/18/especial-semana-ronnie-james-dio-parte-ii/

Leia parte III do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/19/especial-semana-ronnie-james-dio-parte-iii/

Leia parte IV do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/20/especial-semana-ronnie-james-dio-%e2%80%93-parte-iv/

Chegamos na metade final do especial SEMANA RONNIE JAMES DIO, e nesta quinta parte mostraremos uma iniciativa inédita no Heavy Metal, idealizada pelo Jimmy Bain e Vivian Campbell, e capitaneada pelo velho Dio.

Quem disse que We Are The World e Do They Know It’s Christmas estavam sozinhas em 1985?

OS BRUTOS TAMBÉM AMAM: HEAR N’ AID

O ano era 1985 e iniciativas de artistas consagrados do mundo Pop para combater a pobreza mundial estavam em voga. O Band AID e o USA for Africa haviam arrecadado milhões de dólares com o lançamento dos hits Do They Know It’s Christmas e We Are The World, respectivamente, mas a participação de astros da música pesada ainda era tímida.

Enquanto estavam em uma iniciativa filantrópica (nos moldes do Teleton e Criança esperança) na rádio KLOS, estação especializada em Rock sediada em Los Angeles, Jimmy Bain e Vivan Campbell perceberam que o Heavy Metal não estava tendo boa representatividade na ação, então resolveram propor ao Dio fazer alguma coisa para mudar esta realidade.

Os três decidiram trabalhar em um projeto similar aos dois famosos, entretanto só com artistas envolvidos na cena Heavy. Eles compuseram a canção Stars, e nos dias 20 e 21 de maio de 1985 quarenta artistas consagrados estiveram presentes nos estúdios A&M Records Studio, em Hollywood, para emprestarem seus talentos a uma boa causa. O objetivo era arrecadar fundos para as crianças famintas na África.

A seleção de músicos era de deixar qualquer fã de cabelos em pé. Acompanhem:

Vocalistas: Ronnie James Dio, Eric Bloom (Blue Öyster Cult), Don Dokken (Dokken), Kevin DuBrow (Quiet Riot), Rob Halford (Judas Priest), Dave Meniketti (Y&T), Paul Shortino (Rough Cutt) e Geoff Tate (Queensrÿche).

Backing Vocals: Tommy Aldridge (Ozzy Osbourne), Dave Alford (Rough Cutt), Carmine Appice (Vanilla Fudge/King Kobra), Vinny Appice (Dio),Jimmy Bain (Dio), Frankie Banali (Quiet Riot), Mick Brown (Dokken), Vivian Campbell (Dio), Carlos Cavazo (Quiet Riot), Amir Derakh (Rough Cutt), Buck Dharma (Blue Öyster Cult), Brad Gillis (Night Ranger), Craig Goldy (Giuffria), Chris Hager (Rough Cutt), Chris Holmes (W.A.S.P.), Blackie Lawless (W.A.S.P.), George Lynch (Dokken), Yngwie Malmsteen, Mick Mars (Mötley Crüe), Michael McKean (David St. Hubbins do Spinal Tap), Dave Murray (Iron Maiden), Vince Neil (Mötley Crüe),Ted Nugent, Eddie Ojeda (Twisted Sister), Jeff Pilson (Dokken), Rudy Sarzo (Quiet Riot), Claude Schnell (Dio), Neal Schon (Journey), Harry Shearer (Derek Smalls do Spinal Tap), Mark Stein (Vanilla Fudge) e Matt Thorr (Rough Cutt).

Solos de Guitarra: Vivian Campbell (Dio), Carlos Cavazo (Quiet Riot), Buck Dharma (Blue Öyster Cult), Brad Gillis (Night Ranger),Craig Goldy (Giuffria), George Lynch (Dokken), Yngwie Malmsteen, Eddie Ojeda (Twisted Sister) e Neal Schon (Journey).

Guitaras: Dave Murray (Iron Maiden) e Adrian Smith (Iron Maiden).

Baixo: Jimmy Bain (Dio).

Bateria: Vinny Appice (Dio) e Frankie Banali (Quiet Riot).

Teclados: Claude Schnell (Dio).

Esta seleção foi imbatível!

Com um time desse quilate não tinha jeito de dar errado, e o resultado desta união é maior prova disto:

A canção é excepcional! Grandes riffs, vocais matadores, melodias sensacionais e solos de guitarra sobrenaturais fazem de Stars uma música maravilhosa. A razão dela existir é motivo extra para ser adorada por todos os fãs de Heavy Metal.

A idéia de Dio era lançar o single e o álbum logo após as gravações, no entanto alguns problemas nas negociações com as gravadoras (sempre as gravadoras para atrapalhar) dos 40 artistas acabaram atrasando o lançamento para janeiro de 1986. A iniciativa e o disco receberam o nome de Hear n’ Aid, e conseguiram arrecadar 1 milhão de dólares em um ano.

No álbum, além da Stars, que era faixa de abertura, marcam presença Up to the Limit – Live (Accept), On the Road – Live (Motorhead), Distant Early Warning – Live (Rush), Heaven’s on Fire – Live (Kiss), Can You See Me (Jimi Hendrix), Hungry for Heaven – Live (Dio), Go for the Throat (Y&T) e The Zoo – Live (Scorpions).

Capa do álbum.

Foi gravado também um documentário – muito bom, por sinal – sobre as gravações do single. Veja o documentário abaixo, dividido em três partes:

Essa foi a história do Hear n’ Aid! Amanhã, na sexta parte do especial SEMANA RONNIE JAMES DIO, vocês irão conferir mais sobre a carreira solo do mestre e seu retorno triunfal ao front do Black Sabbath.

Até a próxima!





ESPECIAL: SEMANA RONNIE JAMES DIO – PARTE III

19 05 2010

 

Leia a parte I do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/17/especial-semana-ronnie-james-dio/

Leia a parte II do especial:

https://imprensarocker.wordpress.com/2010/05/18/especial-semana-ronnie-james-dio-parte-ii/ 

Aqui estamos na terceira parte do especial SEMANA RONNIE JAMES DIO. Neste capítulo o IMPRENSA ROCKER mostrará sua primeira passagem pelo Black Sabbath, período no qual gravou grandes discos e se consolidou como um dos mestres do Heavy Metal.

It’s Heaven and Hell!!!

NASCE A LENDA: BLACK SABBATH

Em 1980 Dio foi convidado por Tony Iommi, guitarrista do Black Sabbath, para ser o substituto de Ozzy Osbourne, que havia sido demitido da banda. No mesmo ano eles lançaram o álbum Heaven and Hell, que mostrou ao planeta Terra esta força imbatível chamada Ronnie James Dio.

Da esquerda para a direita: Geezer Butler, Dio, Tony Iommi e Vinny Appice

Em toda a história do Rock n’ Roll, pode-se contar nos dedos de uma mão as vezes em que um vocalista de uma grande banda é substituído sem alterar a qualidade da banda, conseguindo manter o sucesso – ou até aumentar – de outrora. Talvez isto só tenha acontecido com o Iron Maiden (quando Bruce Dickinson substituiu Paul Di’Anno), com o AC/DC (quando Brian Johnson entrou no lugar de Bon Scott) e com o Black Sabbath, tendo Dio no lugar de Ozzy.

O Heaven and Hell é um dos clássicos imortais do Metal, por onde desfilam hinos, como a faixa título, Neon Knights, Lady Evil e as outras cinco canções do disco. Absolutamente todas as faixas são destaques! Uma peça obrigatória na discoteca de qualquer um que tenha simpatia por guitarras altas. Outro ponto importante a se ressaltar é que o álbum mostrou um Sabbath diferente do que se conhecia, com músicas mais rápidas, o que nem sempre ocorria na fase Ozzy.

Capa do antológico Heaven and Hell

Na tour do Heaven and Hell Dio se mostrou mais que somente um vocalista, mas um grande front man, carismático e que mantinha o público ensandecido por todo o show. Durante esta turnê, dois outros grandes acontecimentos ocorreram: o baterista Bill Ward foi substituído por Vinny Appice, e Dio imortalizou o “símbolo do Metal”, ao exibir o punho com os dedos indicador e mínimo levantados, formando o que lembra a figura de um par de chifres.

Quem inventou o símbolo permance desconhecido, mas quem imortalizou foi esse aí de cima.

Em 1981 foi lançado o álbum Mob Rules, outro grande sucesso. A faixa que dá título ao álbum foi um dos grandes hits deste trabalho, tendo sido escolhida para entrar na trilha sonora do filme Heavy Metal.

Em 82 foi lançado um bootleg do Sabbath, chamado de Live at Last, trazendo uma gravação ao vivo da banda durante uma tour em 1973. A rápida propagação da bolacha fez com que eles decidissem soltar um disco ao vivo oficial, que foi batizado de Live Evil. O problema é que nesta época o relacionamento interno do grupo já estava um tanto deteriorado, e após uma briga com Tony Iommi, a respeito da mixagem do disco, Dio resolve deixar o Black Sabbath e seguir carreira solo. O Live Evil só saiu em 1983.

No próximo capítulo o IMPRENSA ROCKER cobre o início da carreira solo de Dio, que já começou com um trabalho impressionante. Até lá!

Discografia do Black Sabbath (na primeira passagem de Dio):

Heaven and Hell – 1980
Mob Rules – 1981
Live Evil – 1983

Black Sabbath: Neon Knights