“AXL SEMPRE FOI ATENCIOSO COMIGO”, DIZ BRIAN MAY

25 03 2011

Enviado por: Bernardo Marcondes
Fonte: Blabbermouth

O guitarrista do Queen, Brian May, recentemente respondeu algumas perguntas enviadas pelos leitores da revista britânica “Uncut”. Quando questionado sobre como acabou se envolvendo com na produção do “Chinese Democracy”, do Guns n’ Roses (em 1999, May gravou um solo de guitarra para a faixa “Catcher in The Rye”, mas seu trabalho foi removido, da mixagem final da música), ele respondeu:

“Não me lembro quando conheci Axl, mas nós os convidamos para tocar no tributo a Freddie em 1992. Eles fizeram um trabalho fantástico e também doaram muito dinheiro ao Mercury Phoenix Trust. Após isso, minha banda solo abriu para o Guns n’ Roses numa turnê, e nos demos muito bem”. May continua, “as pessoas pensam em Axl como uma pessoa difícil, mas comigo ele sempre foi bem atencioso”.

“Quando eles estavam gravando este álbum (Chinese Democracy), após não sei quantos anos, eles estavam conversando com Roy Thomas Baker (antigo produtor do Queen), que estava trabalhando com eles na época, e eles tiveram a idéia de me contatar para ajudá-los a criar um direcionamento. Peguei um avião para encontrá-los e ele mostrou o álbum inteiro para mim. Tivemos uma longa noite, conversado, pensando, tentando descobrir direcionamentos em potencial, e então passei alguns dias apenas experimentando coisas. Acho que toquei em duas canções e meia, mas eles acabaram não usando as minhas partes. Eles usaram cerca de 10 guitarristas após isso! Tenho umas mixagens cruas destas faixas em algum lugar do meu arquivo, mas não deixarei ninguém escutar, em lealdade para com Axl”.

“Foi divertido aparecer com algumas idéias para ajudar um amigo”.





FESTIVAL ROCK IN RIO CONFIRMA SHOW DO GUNS N’ ROSES

21 03 2011

Fonte: Site oficial

O site oficial do Festival Rock in Rio confirmou que Axl e cia se apresentarão no palco mundo, no dia 2 de outubro. Confira o texto publicado no site oficial do evento:

Uma história de amor que começou no Rock in Rio II, em 1991, passou por mais uma apresentação no festival no Brasil em 2001 e atravessou um oceano para o evento em Lisboa, em 2008. Atendendo a pedidos do público (só na enquete realizada no site oficial do festival, foram mais de 450 mil votos, além de diversas outras campanhas rapidamente abraçadas por diversas pessoas – entre elas, membros da própria banda). A mobilização tomou conta do twitter e do youtube, invadiu as caixas de comentários do site oficial e de outras publicações, na maior mobilização feita por fãs para nessa edição. Agora, a organização anuncia um dos mais aclamados grupos da história do Rock e dos 26 anos do festival: o Guns n’ Roses está de volta ao Rock in Rio e será a atração principal do Palco Mundo no dia 2 de outubro.

Os fãs disseram e a organização do evento assina embaixo: Rock in Rio sem Guns não é Rock in Rio!

A roqueira baiana Pitty fará o show de abertura da noite de 2 de outubro, mostrando porque é uma das cantoras que mais vendeu CDs nos anos 2000. Em sete anos de carreira, Pitty fez turnês que incluíram países como Portugal e Japão, vendeu mais de 1,5 milhão de cópias e tem um recorde de 51 prêmios ganhos. Esta será a segunda vez que a rockeira toca no evento: a primeira foi no Rock in Rio 2006, em Lisboa, quando abriu os shows de Roger Waters e Red Hot Chili Peppers.

Outro nome anunciado na mesma ocasião é o do rockeiro Frejat, que volta a se apresentar no Rock in Rio no dia 1° de outubro, mas pela primeira vez em carreira solo. Nas duas participações anteriores no festival, ele se apresentou junto com o Barão Vermelho, sendo a primeira ao lado de Cazuza, em 1985, e a segunda, em 2001, já como líder da banda. Para o Rock in Rio 2011, Frejat promete misturar novos e antigos sucessos, relembrando os melhores momentos da sua carreira.





LUZ NO FIM DO TÚNEL – 8ª EDIÇÃO

9 03 2011

Por: Roberto A.

Banda: Buckethead and Travis Dickerson
Álbum: Left Hanging (2010)

Clique aqui para baixar o CD.

Hello. Ótima quarta a todos visitantes deste blog viril na web, Imprensa Rocker. Desta feita, quarta feira de cinzas, temos uma sugestão relax, um disco que se não vai revolucionar sua vida, ao menos propiciará bons momentos: trata-se de um CD instrumental de Rock Alternativo de um dos músicos mais versáteis e talentosos da geração recente – o guitarrista Buckethead. Nem vou arrumar discussão com gunners tradicionais, dizendo que ele foi o mais completo e técnico guitarrista que já passou pelo Guns N’ Roses, fundamental na concepção, arranjos e maioria das bases e solos em “Chinese Democracy”.

Este músico está frequentemente produzindo e lançando seus CD’s solos, sendo que escuto a grande maioria deles, pois sou fã do estilo do sujeito. Este CD ele gravou junto a Travis Dickerson , produtor americano dono da “TDRS Music”. É um disco bom de se ouvir pós-ressaca, queimando uma carne com os amigos, na areia da praia, ou simplesmente passeando de carro.

Começamos com “Continental Drift”, rockão suingado muito legal, timbres irados de guitarra, com ótima produção da cozinha e destaque especial para o som de bateria na cara, tecladeira de muito bom gosto, que abre brilhantemente a bolacha. Nesta, Bucket não abusou de seu virtuosismo, simplificando a guitarra, mas com resultado bem interessante. “Game Theory” vem na sequência e traz uma levada Jazz, “wah wah” de bom gosto bem colocado, canção com levada agradável e bem balançada, e com um solo muito bonito.

“Archetyp” a terceira, injeta certa tensão na bolacha… Esquizofrênica, urgente, bem timbrada e curiosa, nota-se a espetacular desenvoltura de Bucket não só pra tocar guitarra, mas também para compor arranjos inusitados – logo vem em mente o excepcional trabalho dele no mais recente CD do Guns. O modo que ele lida com o “wah” sempre é com muita perspicácia e parcimônia, sem abusos.

“Terra Firma” é toda sexy, com solo arrebatador, animal, cozinha concisa, tecladão fazendo a cama por trás… Puro groove, além de lindas guitarras limpas.

Em “Cosmogny” é hora de colocar o som no volume máximo, e acelerar um pouco mais a máquina. Rockão direto e reto, ao ponto.

“Box Beat Boom” vem com aquelas particularidades do Bucket, com som tipo vídeo game e tal. Interessante e orgânica, além de uso sobrenatural do “Wah”.

Enfim, baixe e se divirta, conferindo porque Axl Rose convidou o cara há muito tempo atrás para ajudar a compor seu mais recente CD.
ABRAXXXXXXXXXXXXXXXX





DUFF McKAGAN FAZ PARTICIPAÇÃO EM SHOW DA ADLER’S APPETITE

1 03 2011

Fonte: Classic Rock

O baixista Duff McKagan se juntou ao seu ex-companheiro de Guns n’ Roses, Steven Adler, no palco do “Camden Underworld”, em Londres,  na noite de ontem, 28 de fevereiro.

McKagan tocou duas canções com a banda Adler’s Appetite: “My Michelle” e “It’s So Easy”. “A participação de Duff realmente elevou o nível da noite”, disse um dos presentes no show.

Duff já havia tocado com o Adler’s Appetite no verão de 2007, num show que também contou com a participação do guitarrista original do Guns, Izzy Stradlin. No ano passado, Duff participou de um show do Guns n’ Roses, também em Londres.

Depois eles reclamam dos boatos sobre uma reunião do lineup original do Guns ou, no caso de Duff, declara que se arrependeu de ter feito a participação no show.





“É O CARA CERTO”, DIZ DUFF McKAGAN SOBRE COREY TAYLOR

21 02 2011

Enviado por: Bernardo Marcondes
Fonte: Rock em Geral

Depois do vazamento do assunto “Corey Taylor como vocalista do Velvet Revolver” ter vazado, e do próprio guitarrista do grupo, Slash, ter admitido que o vocalista do Slipknot e Stone Sour é uma opção, agora foi a vez do baixista Duff McKagan colocar lenha na fogueira. Numa entrevista ao “Artisan News Service”, Duff praticamente declarou seu voto a favor do vocalista. “Eu não posso nem confirmar nem negar que o Corey Taylor está no Velvet Revolver”, disse o baixista, para depois cravar: “Esse é o cara certo, na minha visão. É apenas a minha visão. Acho que milhões de outras pessoas pensam da mesma forma, que ele é o cara certo”. Como Slash está em turnê, nenhuma decisão será tomada até que ele volte.





“OS FILMES DE TERROR DE HOJE SÃO UMA PORCARIA”, DECRETA SLASH

17 02 2011

Enviado por: Bernardo Marcondes
Traduzido por: IMPRENSA ROCKER
Fonte: Charlotte Observer

O site do “Charlotte Observer” publicou uma entrevista exclusiva com Slash, na qual o guitarrista fala de seu álbum solo, escolha do vocalista para o Velvet Revolver, sua empresa de produção de filmes de terror, dentre outros assuntos.

Confira a entrevista completa, em português, com exclusividade no IMPRENSA ROCKER!

Poucos guitarristas são grandes o suficiente por si só para conseguir ser a atração principal de uma turnê solo, ou fazer um álbum solo que fique entre os cinco primeiros das paradas, mas Slash não é qualquer guitarrista. Além de ter tocado no Guns n’ Roses e no Velvet Revolver, ele tocou com Michael Jackson, foi o rosto do “Guitar Hero” e no começo deste mês se apresentou no show do intervalo do “Super Bowl”. Em 2010 ele lançou um álbum recheado de estrelas, trazendo cantores como Fergie, Adam Levine do Maroon 5, Kid Rock e Myles Kennedy do Alter Bridge (Nota do Tradutor: É engraçado como, pelo texto, a gente sabe qual o público do veículo. Se o “Charlotte Observer” fosse voltado para o público Rock n’ Roll, ao invés destes vocalistas citados, eles teriam colocado Ozzy, Lemmy, Iggy Pop, Ian Ashtbury, etc.), que irá cuidar dos vocais na apresentação do guitarrista hoje, às 20h, no “The Filmore”.

O Super Bowl foi um lance importante para você?
Não estava na minha lista de “coisas a fazer”. Não que eu tenha uma lista. Definitivamente me senti honrado de ter recebido o convite.

Muitas pessoas se surpreenderam pelo fato de Fergie ter participado de seu álbum. Você acha que o público a subestima?
As pessoas constroem uma imagem ou uma impressão em suas mentes sobre quem alguém é e têm dificuldade de mudar isso. Isto definitivamente surpreendeu as pessoas. Quando o boato apareceu, elas pensaram que eu tinha virado Pop ou algo do tipo. Eu escutei Fergie cantar uns lances de Rock alguns anos atrás. Eu tinha uma canção para uma vocalista de Rock, e ela automaticamente veio à minha cabeça.

Mas as pessoas já tinham estabelecido Fergie como um tipo de diva Pop, o que é sensato de supor. Eles ficaram realmente chocados quando ouviram a respeito e então, quando escutaram a canção, ficaram meio que, “Oh, ok”. Com o resto do disco, foi muita informação para algumas pessoas digerirem – toda a diversidade.

Foi um indicativo do que você realmente escuta?
Eu escuto uma grande variedade de coisas. Primariamente sou uma cara do Rock n’ Roll, mas tenho uma inclinação conteúdo mais emocional e melódico e grooves. Eu posso escutar diversos tipos de música que ninguém esperaria que eu escutasse, e ser atraído mais pelo lado melódico e musical da coisa.

Este disco foi uma experiência diferente para você, sabendo que o público estava ciente de seu desenvolvimento através do twitter?
Eu meio que contava no twitter o que estava fazendo, mas eu não presto tanta atenção para que o que qualquer um esteja pensando.

Por tanto tempo você foi o cara atrás da guitarra, da cartola ou do cabelo. As mídias sociais permitiram que você mostrasse mais de sua personalidade ou senso de humor?
Não sei. Eu realmente não faço idéia com relação ao que devo ser sob qualquer tipo de perspectiva real. As pessoas desenvolvem suas próprias idéias. O legal do twitter ou facebook foi que me deu a chance de atingir todos que estejam interessados, ao invés de soltar comunicados para a imprensa… ou vazar informações para fontes confiáveis. Isto te coloca mais no controle de sua própria divulgação ou apenas ser mais direto com os fãs em geral.

Quando você percebeu que Myles era o cara para a turnê?
Quando ele veio cantou a segunda música, eu pensei: “este é o único cara que poderia lidar com todo este material”. Coisas do álbum solo e do Guns n’ Roses e do Velvet Revolver. Myles era muito capaz.

Não tínhamos nenhum relacionamento anterior. Aconteceu dele estar de folga do Alter Bridge e topou. Neste ponto, eu só tinha duas semanas para ensaiar com a banda e só uma semana desta poderia gastar com Myles.

Sua experiência com vocalistas notórios é bem conhecida. Personalidade é algo que você considera?
Mendigos não podem escolher (N.T.: ditado cujo correspondente no Brasil seria “a cavalo dado não se olha os dentes”). O mais importante é encontrar indivíduos que são musicalmente capazes, e então você deve levar em conta seja lá qual for a personalidade dele… É algo que você tem que aceitar razoavelmente se ele canta da forma que você espera. Muitos músicos são loucos e é isto que faz deles grandes músicos.

Qual o status atual do Velvet Revolver com relação ao novo vocalista?
Havia verdade no boato de que estávamos observando Corey Taylor, mas então eu saí para a turnê. Então não há nada sendo feito no momento. Nenhuma decisão.

Fale sobre sua nova empresa de produção de filmes de terror, a “Slasher Films”.
Faremos a produção do nosso primeiro filme neste verão (N.T.: verão do hemisfério norte). Entrei nessa por acaso São um grande fã de filmes de terror. Um amigo meu tem uma empresa chamada “Scout Productions”… Ele sugeriu que eu produzisse meus próprios filmes como um braço da empresa dele. Estou completamente envolvido do desenvolvimento do roteiro à locação e escolha do cast.

Você estará envolvido na trilha?
Esta é a parte mais óbvia. Definitivamente estarei envolvido. Se vou tocar ou não, depende do filme do que ele pedir.

Quais são seus filmes de terror preferidos?
Fui criado pelos filmes de terror que começaram nos anos 30, 40 e 50. “Frankenstein”, “O lobisomem” e “Dracula”. Quando os anos 60 chegaram, teve “A Noite dos Mortos Vivos”. Eu o assisti como uma sessão dobrada, junto com o “Exorcista”. “O Exorcista” se tornou meu preferido. Então saiu “A Profecia”. Foi ótimo também. Recentemente eu gostei de “Os Estranhos”. Eu quis fazer isto, porque o gênero Terror tem sido idiotizado para uma situação quase patética. São todas umas porcarias gore realmente previsíveis. São poucos os que realmente envolvem sustos ou uma imponente estória psicológica ou personagens e vilões com profundidade. É disto que sinto falta e que quero trazer de volta.

O solo de “Sweet Child O’ Mine” parece ser um dos mais estragados no circuito de bandas cover. Você acha que ele é tão difícil assim?
Quando eu toco canções do Guns nos meus shows, faço a maioria dos solos da forma que os gravei. Eles foram espontâneos na época… Fazer eles soarem exatamente como no disco torna fácil de ser estragado.





GUNS N’ ROSES ORIGINAL PODE FAZER O SHOW DO INTERVALO NO PRÓXIMO SUPER BOWL

11 02 2011

Fonte: Kent Sterling

De acordo com o website “KentSterling.com”, sítio norte-americano especializado em esportes, conversas estão rolando para que a formação original do Guns se apresente em Indianápolis, na final do campeonato nacional de futebol americano. Talvez o Guns n’ Roses seja a única grande banda de Rock n’ Roll cujos integrantes ainda estão vivos, e que nunca tocaram no Super Bowl.

“Após um show fraco no Super Bowl deste ano, com o super-exposto Black Eyed Peas – que contou com as participações de Usher e Slash – a NFL está querendo soltar uma bomba, reunindo Axl Rose, Slash, Izzy Stradlin, Duff McKagan e Steven Adler (ou Matt Sorum), além de Dizzy Reed”, escreveu Kent Sterling, ex-Diretor de Programa da WIBC e dono do site “KentSterling.com”.

“Paul McCartney já fez o Super Bowl, U2 já fez, Rolling Stones, Kiss, The Who, Tom Petty, Bruce Springsteen… Levando em conta que o Clash já não existe (Joe Strummer está morto), o The Police já não existe e a maioria das grandes bandas de Southern Rock já não existe, sobram Justin Bieber e o Guns n’ Roses. E se algum dia Bieber se apresentar num intervalo do Super Bowl, espero estar lá para levar um tiro e parar com o show”, acrescentou Sterling.

O jornalista continua: “Espero que Axl esteja tomando seus remédios e concorde em fazer o show. É sempre uma pena quando grandes bandas deixam que disputas coloquem um fim prematuro em sua criatividade e habilidade em encantar o público. O Guns n’ Roses já passou há muito do seu auge criativo, mas por 12 minutos eu ficaria imóvel em frente à TV para assisti-los detonar”.

Sterling finaliza, dizendo que as conversas ainda estão em estágios iniciais, e podem não dar em nada. “Mas é bom saber que pelo menos alguém está pensando com clareza na NFL”.