REVIEW DA SEMANA – 1ª EDIÇÃO

23 02 2011

Por: Roberto A.

Banda: Radiohead
Álbum: The King of Limbs (2011)  
 
Clique aqui para baixar o álbum
 
O barato de ser esquisito… E de fazer diferença. Lá vamos nós para a primeira edição de mais uma seção fixa deste blog, que visa iluminar o túnel caótico cultural mundial atual. Desejando de antemão uma boa semana a todos vocês, esta é uma das primeiras resenhas do novo disco do “Cabeça de Rádio”, e é um prazer estar escutando esta bolacha no mesmo dia do lançamento mundial, lance de gente antenada (modéstia chutada pra longe).

Mais uma vez os sujeitos liderados pelo freak Thom Yorke mostram boa vontade e criatividade para levar seu Rock Alternativo a outros horizontes sônicos, colocando alguma dignidade nos lançamentos deste ano. Começamos com “Bloom”, toda frankenstein, bateria ao contrário, tecladões viagem, sentido de tensão, paranóia, e a letra dando pistas do que se trata: “É o que me mantém vivo/Então eu perco e começo de novo”. Faixa atmosférica e claustrofóbica na média, com uma bela melodia de vocal hipnótico. Na cola vem “Good Morning Morning Mr. Magpie”, com som swingado, dançante, acelerado. Nesta, Yorke vomita: “Você tem coragem de vir aqui/…Bom dia Sr. Magpie/Como estamos hoje?”. Ironia leve, linha de baixo interessante… De fato, uma faixa degustável na medida, injetando alguma testosterona na mistura. Guitarra abafada, bateria num ritmo zen, ruídos bem colocados. 

“Little by Little” coloca alguns violões de levada folk, e tem uma belíssima harmonia, seguindo tensa conforme o disco. Backing vocals muito bem sacados, econômicos, pegada muito bacana de bateria cozinhando bem com a guitarra limpa e baixo seguro. “Obrigação/Complicação/Rotinas e horários/Drogas e matá-lo”. Parece-me uma propícia a figurar entre as favoritas dos fãs dos cara. A seguinte, “Feral” começa samba. Sim, isso mesmo: samba. Mas claro, com as bizarrices de sempre do Radiohead, como vocais com eco operísticos, costumeiros ruídos e vocal choroso do Thom. O que espanta é que os sujeitos sabem temperar isso com maestria – fica bom! -, além do baixão distorcido sintetizado bem sacado.

“Lotus Flower”, a posterior, é a que mais apresenta referências Pop até esta altura da bolacha. Vocal limpo, melódico e acessível, com poesia ok: “Porque tudo que eu quero é a lua em cima de um pau/Só para ver se/Só para ver o que dá/Leve as flores de lótus para meu quarto/Lentamente nos revelamos/Como flores de lótus”. “Codex” chega como um momento de redenção – a mais “normal” do disco. Trata-se de uma baladaça linda, com pianos bem timbrados, atmosférica, serena, e bonita. Simples assim. “Give Up The Ghost” surpreende pela beleza acústica, acessível à maior parte dos ouvintes, com violões limpos e lindos rolando, vocal angustiado e bem sacado.

“The King of Limbs”, mais um disco interessante na carreira dos caras, me remeteu muitíssimo a “Kid A”, um de meus preferidos deles, seguindo o “Ok Computer”, o inigualável. Ouçam e se deliciem.

Link extra pra complementar o post.

ABRAXXXXXXXXXXXXXXXX


Ações

Information

27 responses

23 02 2011
Helton

Taí uma banda que todo mundo acha tanto e eu acho uma completa merd*!!! huahueheahuea

23 02 2011
Gabriel Gonçalves

Heltão, somos dois, meu velho! Só de olhar pra cara de retardado do Thom Yorke, dá vontade de quebrar ela toda, rsrsrs. E o pior é isso: neguinho acha ele gênio. Abração, meu velho!

23 02 2011
Roberto A

Fala Heltão, só não vi ainda tua opinião do cd do “And You Will Know Us By The Trail Of Dead”.

ABRAX

23 02 2011
Helton

Robertão….tinha esquecido o cd aqui no trampo…hoje já to levando pra casa para poder escutar na altura certa hahaha

Abraz

23 02 2011
Nilton

Eu gosto do Radiohead, mas nem por isso tenho obrigação de achar tudo o que eles fazem genial.
Tô ouvindo o disco desde o dia 18 e ainda não me convenceu. Parece um disco de lados B e tem coisas já antigas e conhecidas dos shows como “Good Morning Morning Mr. Magpie”. O Kid A levou anos até descer redondo e acho que este novo que foi divulgado é só uma parte do disco completo.
Acho que o filé está por vir.

23 02 2011
Gabriel Gonçalves

Fala Nilton! Eu pretendo me abster das discussões dobre este álbum, porque o radiohead é uma daquelas bandas que me dá nos nervos. Não consigo gostar de nada que eles fazem, portanto não tenho condições nenhuma de fazer uma crítica equilibrada. Abração, cara!

23 02 2011
Roberto A

Sim Nilton, nem tudo são flores.
“Hail to the Thief” eu acho um saco.

ABRAX

23 02 2011
Renato Pina

Bom, eu compartilho da opinião do Gabriel. Eu já tentei várias vezes dar chances ao Thom e o Radiohead, mas não consigo aturar o tipo de som que eles fazem, simplesmente me dá sono e eu não aguento ouvir por mais que 15 minutos. Eu ainda não ouvi esse CD e acho que nem ouvirei, pois o histórico da banda não me agrada e acho que seria perda de tempo escutar esse novo trabalho. Parabéns pela resenha, Roberto “Auad”, e continue trazendo novas resenhas, pois, até agora, você tem feito um ótimo trabalho resenhando álbuns e esta seção vai ser de grande utilidade ao site, visto que é bom logo que sair um álbum já rolar uma resenha, além de promover a banda, dá credibilidade ao site.

23 02 2011
Gabriel Gonçalves

Fala, Renatão! Cara, logo após você sugerir esta seção, o Roberto me escreveu perguntando se não seria melhor as resenhas das bandas consagradas serem postadas em outra seção (esta do Radiohead, por exemplo sairia originalmente como “Luz no Fim do Túnel”). A resenha da próxima semana já está pronta (terminei hoje), e se tudo correr bem, esta seção continuará por muito tempo. Abração, meu velho!

23 02 2011
Roberto A

Valeu pelo incentivo Sephi.

ABRAX

23 02 2011
23 02 2011
Gabriel Gonçalves

rsrsrs… E a puxação de saco continua.

24 02 2011
Helton

Li o texto do chato dos….digo do cara dos los hermanos…outra banda irritante pra mim…. e tive o desprazer de assistir os dois clipes… nem uma overdose do The Final Frontier fez essas imagens desaparecer da minha cabeça hahahaha

Los Hermanos e Los Cabeças de Rádio podiam dar a mão e fugir pra outro planeta!!!

Ah e no caminho o Camelo podia levar aquela namorada dele irritante tb kkkkkk

Abraz

24 02 2011
Gabriel Gonçalves

Pô, Heltão, já vi que temos gostos muito, muito parecidos. Odeio o Los Hermanos também com toda a minha força, rsrsrs. Você disse tudo: que se deem as mãos e se explodam bem longe daqui, rs. E outra: se fosse Zé do cachorro quente pegando uma menina da idade de Malu Magalhães (que sumiu, por acaso), tava em cana, mas o dromedár… ops, o Camelo pode. Abração, meu velho!

23 02 2011
bruno coringa

Engraçado, qdo vi esse vídeo, tava o som de outra música (poperô)… não escustei o disco e nem tenho essa pretenção, porém pelo que deu pra entender pela musica do vídeo postado acima é que estão tentando repaginar a banda, colocar novas tendências e criar algo novo, porém acredito que fan que acompanha das antigas, ainda prefere o jeito original, esquecido lá pra tras…

23 02 2011
Gabriel Gonçalves

Fala, Bruno! Como já disse antes, nunca curti o Radiohead, por isso não posso opinar. Mas, por mim, eles podem rapginar o som o quanto quiserem, que não fará a diferença, rsrs. Abração, cara!

24 02 2011
Helton

Gazêra….ela é tão chata que nem lembrava o nome dela kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Não sei quanto a você….mas até a cara do Thom me irrita…eu sei que foi doença, massssss…. Outra banda que eu ‘deixo’ de gostar mais por causa da cara de retardado é o The Vines… alguém lembra deles???

Abraz

24 02 2011
Gabriel Gonçalves

Pode crer, Heltão! Bicho, há muito tempo que não ouço falar no The Vines, rs… Também odiava aqueles caras. Abração, meu velho!

24 02 2011
Roberto A

Tudo lindo Heltão, mas o que importa mesmo?
cadê seu veredito do cd do trails? isso não vi ainda…

25 02 2011
Marcos Gonçalves

Nunca ouvi Radiohead, mas adoro “Creep”, que conheço do Rock Band no PS3, ehehee. Aquela música além de linda é muito sinistra, preturbadora e tem um guitarrão que curto muito. Também gosto dos vocais muito melódicos, apesar de depressivos. Enfim. Acho que Creep deve ser a origem da fama dos cabeça de rádio. Depois não devem ter feito mais nada de bom, acredito eu, já que veio o tal de Coldplay e assumiu o trono do nerds suicidas.

27 02 2011
Gabriel Gonçalves

rsrs… Nunca curti radiohead e sei que nunca irei… Abração, Marquêra!

25 02 2011
27 02 2011
Gabriel Gonçalves

rs… O que tempo de sobra nção faz, né? rsrsrs. Abração, Roberto!

25 02 2011
André

Acho que ele é um pouco mais minimalistas do que os outros discos do radiohead, não tem nenhuma linha de guitarra ou sintetizador em destaque, mas ainda assim o clima do disco é interessante, e o Philip Selway porém tá bem afiado nas linhas de bateria.
No geral é um álbum muito bom, mas não a nível dos últimos lançamentos do Radiohead, principalmente do In Rainbows que eu considero o melhor da banda junto com o Kid A.

27 02 2011
Gabriel Gonçalves

Fala, André! Bom, como já disse aqui, não curto a banda, portanto vou deixar esta discussão com o Roberto. Abração, cara!

28 02 2011
Roberto A

28 02 2011
Gabriel Gonçalves

rsrsrsrs… A galera não perdoa. Abraço, Robertão!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: