“HOJE TUDO É FOCADO NO DINHEIRO”, DIZ SLASH

3 12 2010

Fonte: Guitar Messenger

Slash é mais do que um músico extraordinário – ele é um ícone cultural. O som inconfundível do homem da cartola e da “Les Paul” ajudou a definir um gênero inteiro e inspirou legiões de guitarristas ao redor do globo.

O ano de 2010 marcou um novo capítulo para Slash, com o lançamento de sua estréia como artista solo – um álbum com 14 canções de Rock tendo uma participação especial estrelar de amigos além, é claro, de riffs enérgicos e grandes solos, que são a chave do seu som. Nós tivemos a oportunidade de conversar com Slash, enquanto ele fazia a perna norte-americana de sua turnê mundial:

Estou feliz em ver que você está bem, porque Fergie te mata no final do seu novo videoclipe!
É verdade, não é? (risos)

Eu acho que o título “Beautiful Dangerous” realmente resume o vídeo, e eu sei que você mencionou anteriormente que Fergie tem um lado negro. Com certeza este deve ser o lado negro dela.
Eu acho que eu sou uma ótima válvula de escape para a Fergie poder exorcizar as merdas que ela não consegue no Black Eyed Peãs. Escrevi outra canção com ela – quando fizemos “Beautiful Dangerous”, também escrevemos outra canção, que trouxe à tona um lado dela que eu nunca tinha visto. Um lance bem hardcore. Eu fiquei meio “uau!”. Isto sera interessante. Quando ela fizer seu álbum solo de Rock n’ Roll, em algum ponto, será bastante revelador com relação aos diferentes aspectos dela, além do lado celebridade que você vê no Black Eyed Peas.

Como foi a experiência de gravar o vídeo para “Beautiful Dangerous”?
Nós filmamos tudo em um dia, basicamente – exceto as imagens ao vivo que foram inseridas. Na verdade, foi um dos vídeos mais tranqüilos que já fiz, porque apenas chegamos e fizemos os takes, e tudo correu bem rápido. O diretor foi bem profissional, e não houve muito intervalo e esperas. Então, considerando tudo, esta foi a característica principal. Fergie foi ótima – ela sabia exatamente o que estava fazendo. O conceito geral do vídeo foi idéia dela de qualquer forma, então ela sabia exatamente com fazer o personagem que ela interpretava. Basicamente, tudo que eu tive que fazer foi aparecer – então, considerando tudo, foi bem divertido.

Você anunciou recentemente que estará fazendo um som com o Velvet Revolver e procurando por um novo vocalista. Como está o status disto?
Nós fizemos umas jams, e teremos mais vocalistas aparecendo nas próximas duas semanas. Então, é um trabalho em andamento – colocaremos desta forma.

Com o lançamento de “Slash”, ter trabalhado com todos estes vocalistas deve ter sido bem excitante, mas também difícil de prever como seria o resultado. Com isto em mente, qual foi seu momento preferido no álbum? Há algo que você deseje que tivesse saído de forma diferente?
Não há nada que eu gostaria que tivesse saído de outra forma. Toda a produção o disco foi, na maior parte, bem do jeito que eu queria, apenas juntando as coisas e torcendo pelo melhor. Há melhores momentos ao longo de todo o disco. Fazer tudo aquilo sob aquelas circunstâncias, tendo os artistas que estão no disco aparecendo e, de fato, produzindo algo para mim, foi o melhor momento em si – porque para mim, este foi apenas um daqueles discos nos quais você não tem 100% do controle sobre a coisa toda. Normalmente numa banda, os integrantes aparecem, há uma gravadora e um produtor, e então você vai e grava o disco que você tem planejado há meses e meses.

Neste disco, eu escrevi uma porção de canções, fiz as demos, chamei um monte de cantores e perguntei se eles estariam interessados; então entrei no estúdio com Eric Valentine, que foi o produtor. Foi no estúdio dele, e tínhamos que esperar para ver que apareceria. Isto por si só, apenas em conseguir alguém para o disco, foi um dos melhores momentos. Trabalhar com Ozzy foi ótimo, trabalhar com alguns dos meus antigos heróis, como Lemmy, trabalhar com Ian Astbury foi ótimo, Fergie foi ótima – todo mundo que esteve envolvido foi um melhor momento.

Foi bem legal que Iggy Pop tenha aparecido. Ele foi o primeiro vocalista, na verdade, a pôr a coisa toda em movimento – foi o primeiro cantor que gravamos, e isto meio que ditou o ritmo para o resto do disco. Você pode imaginar, para mim, como um guitarrista fã de Rock… Foi bem divertido, a coisa toda.

Posso imaginar, definitivamente. Você já planeja lançar outro álbum como este mais a frente, ou ainda é cedo para dizer?
É algo que espero fazer novamente, sentado aqui e falando com você agora, mas você nunca sabe o que acontecerá mais para a frente. Definitivamente não é algo planejado para agora.

Você tem sido um ávido adepto da combinação “Les Paul” e “Marshall” por vários anos, mas este combo também já teve alguns ajustes e mudanças ao longo do tempo. Há algo que você tenha descoberto recentemente e que possa dividir conosco com relação a como obter o seu timbre?
Quanto mais trabalho com isto, mas eu percebo que menos é mais, e quanto mais você simplificar, melhor. Na produção deste último disco, foi basicamente uma “Les Paul” e um amplificador para todo o álbum. Já estou na estrada nesta altura, e tenho dois cabeçotes e menos guitarras do que o usual, e funciona muito melhor desta forma. Chega até ao ponto de que quanto menos botões no amplificador, melhor (risos). Os melhores resultados são obtidos quando se trabalha com as ferramentas mais simples possíveis.

Vamos dizer que você chegou no local do show: você está com sua “Les Paul” e há um “Marshall JCM800” no palco. Qual sua abordagem típica com relação à equalização do amplificador?
Eu acho que a forma mais fácil para eu reconhecer qual o som de um amplificador, é ajustar todos os botões no 7.

Voltando desta extensa turnê, te sido difícil para você manter o estilo de vida mais saudável que você adotou recentemente?
Esta turnê foi como um furacão – de uma turnê na Europa ara a Ásia, para a Austrália, para os Estados Unidos. Tudo num espaço de oito meses. Com a exceção dos dias em que estávamos no avião, tocamos seis noites por semana. Você tem que andar no ritmo. A única coisa que me foco, de verdade, é no show. Não faço nada além disto, exceto lidar com a imprensa e coisas do tipo.

Houve muito trabalho a se fazer nesta turnê. Como era o meu álbum solo, não havia mais ninguém para dividir as obrigações comigo (risos). Tudo dependia de mim para ser feito, além do show em si. Foi muito trabalhoso. Basicamente, tudo que você tem que fazer é entrar no ritmo e tentar, se puder, descansar aqui e ali – e tentar não comer muita porcaria (risos).

Com isto em mente, o que você diria ser seu maior vício hoje em dia?
Meu maior vício agora? Meu maior vício neste ponto é provavelmente ficar acordado até tarde e me divertindo, o que ainda me deixa mal quando não faço, e Nicorette (Nota do Tradutor.: Nicorette é uma marca de produtos para terapia de reposição de nicotina para quem quer deixar de fumar. Existe em adesivo ou em chiclete).

Uma das coisas que mais admiro em seu jeito de tocar é que, por mais animado que você esteja em várias partes do show, você ainda consegue ter um ritmo bem relaxado. Isto é algo no qual você tem consciência e trabalha para conseguir, ou apenas acontece?
Não, eu sempre achei que estava no máximo de tensão (risos). Eu realmente precipito algumas coisas, mas não tenho uma abordagem concentrada em como faço as coisas, uma vez que estou lá fazendo, sabe? O modo que eu toco é espontâneo, no feeling – é o que é. Realmente não penso muito nisto. Disto isto, me foco bastante quando se trata da execução em si ou seja lá o que esteja tocando, e em estar sintonizado com a banda e todo este tipo de coisa. Tudo isto é muito, muito importante. É meio que parte do meu show: nós vamos lá, nos certificamos de que tudo está soando bem, e então meio que trancamos tudo – e então eu não penso muito mais sobre este aspecto após isto.

Quando você não está em turnê, há algum aspecto do seu jeito de tocar que você ainda tenta mudar ou melhorar?
Eu tenho uma guitarra aqui mesmo, e então eu sento e apenas vejo o que aparece ou vejo se há alguma idéia – apenas fico brincando. Não tenho um cronograma. Eu não tenho uma linha de raciocínio com relação a como eu abordo a guitarra; eu meio que faço as coisas e espero pelo melhor e espero que algo inspirador saia ou que apenas tropece em algo. Sabe o que quero dizer? A melhor coisa, eu acho, é ter uma guitarra por perto sempre que possível.

Se você pudesse viajar no tempo e dar conselhos ao Slash de 1987, o que você acha que falaria?
Se pudesse voltar no tempo para 1987, sabendo o que sei hoje, seria uma droga. Seria uma merda completa, porque isto acabaria com a mágica do que 1987 seria e do que os anos seguintes seriam.

Há algum novo artista por aí que você tenha curtido recentemente?
Eu realmente me diverti fazendo um som com o Airborne. Quando estávamos fazendo o “European Festival Tour”, fizemos vários shows com esta banda. Foi bem legal. Aqueles caras são o mais próximo de um Hard Rock do tipo AC/DC, cheio de energia, que já vi em muito tempo. Eu gosto da nova banda do Jack White, Dead Weather, Bullet For My Valentine é legal, e o novo álbum do Avenged Sevenfold é bom. Há uma banda da Austrália que está ficando famosa por aqui, chamada Karnivool, e que é muito, muito legal. 

Há algo aqui e ali – não houve nada no qual eu tenha ficado: “Uau!”, como quando eu escutei o Alice in Chains pela primeira vez, por exemplo. Não houve nenhum movimento como aquele, mas há coisas legais que estão começando a acontecer, e que são baseadas no Rock n’ Roll. Com sorte, nos próximos dois anos haverá mais disto acontecendo.

Há alguém que você ache que possa ser o próximo guitar hero?
Não sei. Isto é algo que não conseguiria dizer. Eu só não vejo muito foco nisto, nesta indústria de hoje (risos). Mas há uma porrada de guitarristas por aí, e há muitos garotos que estão pegando uma guitarra e há muita animação com relação à guitarra, mas isto parece ser altamente ignorado pela indústria e produtores como um todo. A guitarra não é necessariamente importante para a música comercial atualmente, é como eles enxergam.

Você teve a oportunidade de trabalhar como diferentes artistas fenomenais ao longo dos anos, e especialmente mais por agora. Com quem você nunca teve a chance de trabalhar, mas que você adoraria fazer um dia?
As colaborações que já fiz até agora foram possíveis por causa de coisas que circunstancialmente acabaram acontecendo, mas foram com pessoas que eu realmente admiro musicalmente – e espero que seja um sentimento mútuo; foi daí que as coisas surgiram. Mas não muita previsão, como “gostaria de tocar com tal pessoa ou esta outra”, e então ligar para meu escritório e dizer: “entre em contato com este cara e veja se consegue um encontro entre nós dois”.

Eu não tenho idéias pré-planejadas com relação às colaborações que irei fazer e coisas deste tipo. Neste momento tenho que tocar com o The Roots amanhã à noite no programa do Jimmy Fallon, e eu acho o The Roots do caralho. Não tenho nenhum plano ou pessoas com quem quero trabalhar ou que espero trabalhar, mas há pessoas que eu adoro (risos). Seria muito presunçoso de minha parte assumir que, pelo fato de eu gostar de alguém, elas iriam querer tocar comigo, ou que eu possa fazer isto acontecer.

O que você acha de sair em turnê com Ozzy em janeiro?
Estou muito animado com isto. Estou, de fato, muito, muito animado com isto. É onde estou agora; estou apenas esperando para isto acontecer – porque só será em janeiro e, para mim, é muito tempo de esperar (risos).

Quais são seus hobbies ou coisas que gosta de fazer quando está de folga?
Não tenho muito esta coisa de hobbies (risos). Eu realmente passo a maior parte do tempo com atividades relacionadas à música. Eu gosto de carros, eu gosto de jogar pinball, gosto de fazer um monte coisa, mas não é nada sério.

Tendo presenciado os altos e baixos da indústria por tantos anos, quais os conselhos que você pode dar aos novos artistas que estão tentando aparecer e deixar sua marca na indústria?
Não sei. Neste momento, estou ocupado me segurando com relação a usar as armas que tenho, levando-se em conta que eu não combino com nada que esteja acontecendo na música atual. É difícil para eu saber o que falar para alguém que está começando nesta altura, porque tudo parece tão corporativo agora. Muitos discos nos quais as pessoas nem ao menos sabem tocar estão sendo feitos. Há muita tecnologia envolvida, e hoje em dia parece que todos estão tentando se adaptar aos padrões da indústria musical.

Antigamente existia o negócio e os músicos, e os dois não estavam no mesmo lugar. Agora parece que todo mundo está na mesma página, e tudo é realmente focado no dinheiro. É difícil para eu dizer o que alguém deveria querer fazer na indústria musica nesta altura (risos). Eu assumiria que a coisa mais importante é aprender seu instrumento, e saber o que você quer produzir musicalmente, e então sair e correr atrás. Isto exige muito trabalho, e muito comprometimento e dedicação, e você tem que estar preparado para lidar com tudo aquilo e querer fazer.


Ações

Information

6 responses

3 12 2010
BERNARDO

Opaaaaaaaa.. bela entrevista hein , confesso que não achei essa noticia na internet, (dia 28 outubro) de tudo oq é relacionado ao rock eu tô por dentro! Seja no site nme , gigwise , contact music , noiscreep , blabbermouth , music radar , antimusic , kerrang , mojo music , classic rock , metal hammer etc.. rsrs🙂

Obrigado pela matéria hein Gabriel , foda demais! rsrs

abraçoooooo

3 12 2010
Gabriel Gonçalves

Valeu, Bernardo! Sempre que achar algo que julgue interesante, manda pra cá, que a gente traduz. Abração, meu velho!

4 12 2010
BERNARDO

pode crer… como mando noticias ae ? só falar.. tem email ?

abração

4 12 2010
Gabriel Gonçalves

Fala, Bernardo! Você pode mandar as notícias pelo e-mail imprensarocker@gmail.com . Manda com a notícia com o link da fonte e seu nome e sobrenome. Abração, cara!

22 01 2011
Jefferson Amaral

Muito boa essa entrevista cara
sou um fãn desse cara acho ele muito foda
valeu mesmo😀

22 01 2011
Gabriel Gonçalves

Fala, Jefferson! Realmente Slash é é um ícone. Um dos últimos desta espécie de rockstar. Abração, cara!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: