KURT DONALD COBAIN: VIDA COMPLEXA, MORTE MISTERIOSA

16 09 2010

Por: Roberto A.

Ele foi um dos artistas mais extraordinários surgidos em todos os tempos. Dono de uma brilhante veia artística, foi um grande compositor e músico, mas igualmente teria dado certo como pintor ou desenhista.Teve uma infância muito feliz, mas com o divórcio de seus pais, tornou-se uma pessoa amarga e problemática, com fortes sentimentos de inferioridade e inadequação. O divórcio realmente o incomodou fortemente, e Kurt demonstrou isso por diversas vezes: “That legendary divorce is such a bore” (Nota do redator: trecho da canção “Serve The Servants”, que traduzida fica, “aquele lendário divórcio é um saco”).

Foi uma criança hiper-ativa, medicada desde cedo com remédios diversos, iniciando na infância a sua futura dependência química – e pesquisas comprovam que a maioria dos dependentes começou quando criança.

Pisciano, hiper sensível, teve uma vida que nem ele mesmo previu nos seus melhores sonhos. Tornou-se famoso, riquíssimo, requisitado, adorado, e teve que lidar com tudo o que mais desprezava nos artistas mainstream. A música era sua fuga, sua única alternativa, mas tornou-se seu martírio público. Compôs músicas e discos que se tornaram referência, e com mérito. Foram canções simples, porém com muito apelo pop, isso sem perder a distorção e ironia.

Quando adolescente viveu em casas de parentes, colegas, e embaixo de uma ponte – dados indicam que isso foi criado por ele – e com sua arte passou a andar de limusines (o que ele odiava), e se tornou dono de muita grana e até mesmo mansões.

Um dos fatos infelizes em sua vida foi ter conhecido Courtney Love, que mais tarde tiraria quase tudo que ele tinha conquistado com seu talento. Uma questão, em se tratando de Nirvana, sempre foram as drogas. Havia uma espécie de conexão do grupo com isso, mas uma pergunta que fica é: sem as negativas influências da heroína e demais drogas, a arte do Nirvana teria sido tão relevante? É questionável.

Sucesso, grana, exposição… Nada disso parece ter sido suficiente para tornar Kurt uma pessoa mais feliz e tolerante. Com o Nirvana, tudo era oito ou oitenta; ou o show era espetacular ou um fiasco, como por exemplo foram os realizados no Brasil, em 93… Péssimos, com execuções chulas, e com um Kurt em síndrome de abstinência, chegando ao ridículo de cuspir nas câmeras da Globo e sair de quatro do palco em São Paulo.

Até hoje o acústico deles pra MTV é considerado como um dos mais interessantes, e para os mais observadores foi uma espécie de despedida da banda, com o cenário fúnebre e tudo que envolveu o espetáculo. Kurt Cobain foi um extremo dependente químico, e no caso grave como o dele, somente internação a força por vários meses talvez teria algum êxito.

Sua morte ocorreu em abril de 1994, na sua mansão em Seattle, e até hoje não foi totalmente aceita e esclarecida – inclusive existe um site, chamadao de “Justice For Kurt“, que trata deste assunto. Como ele poderia ter puxado o gatilho, se ele tinha no sistema sanguíneo altíssima concentração incapacitante de heroína? Como a espingarda não tinha suas impressões digitais? Enfim, existem inúmeras teorias de que ele teria sido assassinado, e não cometido suicídio.

Kurt foi um mito, e até mesmo na sua morte foi complexo. Foi um dos últimos artistas que realmente valeram à pena neste mundo. O Nirvana foi uma banda completa e espetacular. Dave era e é um músico completo, baterista excepcional, cantor muito bom, e Krist sempre mandou muito bem no baixo, e foi tão responsável pelo sucesso da banda quanto Kurt. Era ele quem carregava tudo em seu carro, no início, viajando até mesmo entre cidades para possibilitar os ensaios.

Fica minha sugestão como curiosidade a todos, ouvirem a faixa “Marigold”, na qual Dave cantou e tocou guitarra, enquanto Kurt tocou bateria.

Por isso tudo e muito mais, Kurt Donald Cobain, esteja onde estiver, descanse, enfim, em paz.


Ações

Information

21 responses

16 09 2010
Leonardo Matheus

Uma mente brilhante, um musico grandioso. Infelizmente de gênio a louco so falta um passo, não é?

Otima materia gabriel, realmente foi um dos ultimos artistas que valeram algo, como vc citou.

16 09 2010
Gabriel Gonçalves

Fala, Leonardo! Realmente o texto está muito bom, mas o autor foi o Roberto A., leitor e colaborador do blog. Abração, meu velho!

17 09 2010
Bruno Caetano

Pois é, Kurt vai ficar eternamente vivo, para além de ser um grande musico, muitas das suas ações demonstravam que era uma pessoa simples e boa.
Infelizmente como citado acima o maior erro dele foi mesmo ter conhecido a cabra da Courtney Love, cabra essa que ainda nos dias de hoje continua a desonrar o nome de Kurt. P**a.
Forever Kurt Cobain \m/

Abraço.

17 09 2010
Gabriel Gonçalves

Fala, Brunão! Realmente Kurt é um dos artistas que eu gostaria de ver, e saber o ue estariam fazendo hoje em dia. Mas com relação à Courtney, concordo que ela não é flor que se cheire, mas sempre fico com pé atrás quando dizem que foi tal pessoa que influenciou a outra a fazer as merdas que fez. Kurt era adulto, vacinado, tinha controle sobre suas ações, então, na verdade, a culpa é dele. Se ele não quisesse, teria dito “não”. Para mim este tipo de coisa é parecido com estes caras que entram na escola metralhando todo mundo, e depois dizem que foi uma música do Ozzy que mandou eles fazerem, rs. Abração, meu velho!

17 09 2010
Roberto A

Gabriel, Courtney não foi responsável pelos erros dele, só não o ajudou em nada, e no final das contas ainda ficou com tudo que ele conseguiu com seu talento…sem contar, bem…deixa prá lá…

ABRAXXXX

17 09 2010
Gabriel Gonçalves

Eu concordo com isso, Roberto. Sei que ela ficou com tudo que ele tinha, mas, afinal ela era a mulher dele. Eu li aquele livro, “Heavier Than Heaven”, e pelo livro – que não tenta maquiar em nada as coisas que ela fazia – ela, pelo menos, levou um pouco de alegria para ela. Se ee se sentia feliz com ela, acho que ela já ajudou bastante. É lógico que para um viciado, ela não era a melhor companhia do mundo, rs, mas também não acho que ela seja a culpada pelo suicídio de Kurt – a não ser que não tenha sido um suicídio, e que ela tenha contratado alguém para matá-lo, como algumas teorias apontam. Abração, meu velho!

17 09 2010
Helton

O livro foi completamente editado pela Courtney, Gabriel… isso é fato. Alias, o tal filme novo sobre o Kurt será baseado no livro com a ‘direção’ da Courtney, o que é uma pena, pois ele tem muita história boa pra contar. Nirvana junto a Iron Maiden e Alice in Chains são minhas bandas favoritas e conheço quase tudo sobre elas, pelo menos tento conhecer. Queria ter visto algumas bandas ao vivo: Chains (com o Layne), Nirvana e Lynyrd Skynyrd … como não pude…. vou atrás de tudo delas uhahuauha

Abraz

17 09 2010
Gabriel Gonçalves

Fala, Heltão! Mas pelo que li, a Courtney Love abandonou o projeto do livro quando discordou de algumas coisas que o autor escreveu. Posso estar errado, mas li isto em algum lugar. Mas ainda assim, o cara não iria ficar tanto tempo com a meulher se ela não o fizesse nem um pouco feliz, rs. Mas enfim, a fama de Yoko Ono – outra que eu acho que sofre injustamente – dos anos 90 vai ficar com ela para sempre. Abração, cara!

17 09 2010
Helton

Ah sim…. nao digo que ele nao amava ela ou que ela não fizesse bem a ele e tal… só digo que o livro foi editado por ela, isso ela mesmo assumiu. Não sei se acredito que ele tenha se matado, ou se foi morto… a heroina faz coisas terriveis com as pessoas.

Abraz

17 09 2010
Gabriel Gonçalves

Nisso você tem razão, Helton, a heroína faz coisas absurdas com a cabeça das pessoas. Uma pena, pois ele poderia ter produzido tanta coisa espetacular… Abração, meu velho!

17 09 2010
Roberto A

ainda amo kurt. simples assim…
lembro quando eu tava andando de carro ouvindo uma fm, quando ouvi sobre ele ter se matado. logo após rolou ´amazing´ do aerosmith.

17 09 2010
Gabriel Gonçalves

Foda mesmo… Eu estava em casa quando foi noticiado que ele havia morrido. Bem estranho, né? Abraço, Roberto!

18 09 2010
judas

A banda q + fez sucesso em tão pouco tempo da história
pra uma banda q não se importava com o q as pessoas achavam de suas letras e a banda vendeu 75 milhões de cds, só nevermind vendeu 35 milhões de cópias até hj, vendeu + q o appetite for destrucion do guns com 28, então, aquele velho ditado sobre rock q quem ouve nirvana não pode ouvir guns, eu fico com o NIRVANA, mas é claro q ouço as 2 bandas, aquela espaço de 3 anos foi o melhor da história, com albuns como Black album,NEVERMIND, Appetite for destrucion. fala ai gabriel.

18 09 2010
Gabriel Gonçalves

Fala, Judas, tudo certo? Na verdade o Nirvana durou cinco anos – se contarmos do primeiro disco à morte de Kurt. Realmente muito pouco para o que fizeram. Mas, cara, estes dados seus estão um pouco equivocados. De acordo com o Wikipedia, o “Nevermind vendeu 26 milhões cópias em todo o mundo, enquanto que o “Apettite…” vendeu 40 milhões de cópias. Ao todo, o Nirvana vendeu 75 milhões de discos em todo o mundo; o Guns vendeu mais de 100 milhões. Agora, que saber de algo espantoso? Os Beatles são a banda que mais vendeu disco na história, com mais de 1 bilhão de discos vendidos e, assim como o Nirvana, duraram muito pouco. Do primeiro álbum ao último, foram 7 anos. Por isso que eu falei aquilo sobre renovar o público. Os caras continuam vendendo como se ainda estivessem na ativa, mas na verdade são os novos fãs que dscobrem o grupo e vão atrás dos discos. Abração, meu velho

18 09 2010
judas

o guns vendeu mais q o nirvana pq eles não param ainda, se o kurt estava vivo, o nirvana já tinha vendido ums 500 milhões de albuns facil, eu não sou deus mas acredito q o kurt quase era

18 09 2010
Gabriel Gonçalves

Velho, acho que não, hein? O Guns passou 17 anos de férias, e o Nirvana vendeu muito com a morte de Kurt – sem contar que mesmo a banda tendo acabado, os discos ainda estão aí para serem comprados. Acho que o Guns vendeu mais, porque é mais acessível – ele arrastou fãs headbangers, rockers, mauricinhos e patricinhas, etc; enquanto que o Nirvana atingiu mais um público específico. Abração, meu velho!

31 10 2010
Geraldo

Gabriel, eu li quando você disse acima que o Appetite for Destruction vendeu 40 milhoes de copias em todo mundo e o Nevermind 26 milhoes, porem eu estive pesquisando a algum tempo atrás e li no proprio wikipedia, num artigo sobre os discos mais vendidos de todos os tempos e lá estava que o Appetite vendeu 28 milhoes e o Nevermind 26. O que digo é o seguinte, muitas vezes é complicado pegar informações no wikipédia, porque é sempre editado por algum fã ou coisa assim. Eu li acima também que o Nirvana vendeu 60 milhões, e sei que isso é verdade, pelo grande numero de lugares em que pesquisei, mas é complicado dizer sobre vendas do Nirvana, pois o proprio Pearl Jam vendeu mais que o Nirvana nos USA, mas o Nirvana ficou apenas no mainstream apenas de setembro de 1991 até abril de 1994, ou seja, pouquissimo tempo, e mesmo assim eles têem vendas impressionantes.

31 10 2010
Gabriel Gonçalves

Fala, Geraldo! Cara, você está certo com relação às vendas do “Appetite”. Acabei de ver na RIAA (Associação da Indústria de Discos) dos Estados Unidos, e o debut do Guns vendeu 28 mihões de cópias (a [última atualização foi feita em 2008). Mas com relação ás vendas do Nirvana, seu número e meu número estão errados. pela própria RIAA, o “Nervemind” vendeu 10 milhões. O Wikpedia realmente pode ser editado por qualquer um, mas a informação só é publicada após checagem por partes do pessoal deles, mas desta vez realmente pisaram na bola. Quanto ao tempo da banda no “mainstream”, não creio que seja definitivo para ter efeitos na vendagem. Pelo contrário, com a morte de Kurt, o disco ficou muito mais em evidência. os Beatles duraram de 63 a 70 e vendem discos adoidado até hoje. Abração, cara, e obrigado pela correção.

31 10 2010
Geraldo

corrigindo: não está escrito acima que o Nirvana vendeu mais de 60 milhões.

31 10 2010
Geraldo

Fala Gabriel! Se eu não me engano no RIAA o Appetite tem 18 certificados de platina, enquanto o Nevermind 10. Mas isso são só pras vendagens nos USA, não mundiais. Por exemplo o Ten do Pearl Jam, vendeu 13 milhoes nos USA e 18 ao todo, e o Nevermind 10 milhões nos USA enquanto 26 milhões mundiais. Mas eu acho q nem sempre vendas representam sucesso no momento, pois no caso de Ten e Nevermind, Nirvana fez um estouro maior que o PJ na epoca dos 2 lançamentos, porém depois o Ten continuou vendendo bem e passando o Nevermind nos USA. É sempre confuso pensar em vendagens… Eu achei um artigo da própria wikipédia que contém as vendagens com links que podem ser usados para comprovação:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:%C3%81lbuns_mais_vendidos_do_mundo#cite_note-appetite_for_destruction-31

Este blog é muito bom!

1 11 2010
Gabriel Gonçalves

rs… Geraldo, novamente você está com a razão. Os números que citei sobre o “Nevermind” são da vendas nos Estados Unidos. Só não encontrei uma fonte confiável que indique quantas cópias o “Nevermind” vendeu em todo o mundo. Obrigado pelo elogio, meu velho. Volte sempre!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: